Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Creditos online

Tudo o que procura saber sobre crédito pessoal, créditos online, finanças pessoais e conselhos de poupança.

Creditos online

Tudo o que procura saber sobre crédito pessoal, créditos online, finanças pessoais e conselhos de poupança.

Ter | 22.12.09

Boas Festas

Nelson

O Blog Creditos Online deseja a todos Os seus leitores um Feliz Natal e umas Boas Festas, e não será actualizado durante este periodo. Obrigado a todos.

Qua | 16.12.09

Juros do credito baixo por mais tempo

Nelson

As taxas de juro excepcionalmente baixas são para manter, quem o diz é a Fed (Reserva Federal Norte-Americana).

Ficou a garantia de as taxas de juro interbancarias ficarem fixadas entre zero e 0,25 porum periodo alargado e indeterminado de tempo. O governo espera com esta medida facilitar o acesso da população aos créditos e conseguir dar um novo alento ao crescimento da economia que se encontra muito lento.

Para ajudar a Fed vai continuar a comprar activos associados a créditos hipotecarios no primeiro trimestre do ano futuro. Esta noticia foi avançada pelo Publico.
 

Qui | 10.12.09

Crédito Malparado ? Veja Como Reparar o seu Crédito

Nelson

Algumas dicas para enfrentar o Crédito Malparado

Se tem problemas com crédito malparado as ideias seguintes poderão ser muito proveitosas para si. Talvez já tenha falhado no pagamento das prestações e sabe o quanto isso aumenta os nossos níveis de stress. Se estiver numa situação em que não faz a mínima ideia de como irá liquidar essas dividas, então ainda pior. Por vezes somos nós os culpados da situação complicada em que nos encontramos, mas também existem situações imprevistas e que podem pôr qualquer um de nós em pânico. Basta uma situação de desemprego súbito ou de uma emergência médica para parecer que o mundo vai ruir sobre nós. Este é um problema muito comum nos dias de hoje e que é preciso ajudar a combater para que se tenha uma sociedade "saudável". 

  1. Afaste-se dos cartões de crédito. Este passo é o mais importante, e parecendo óbvio, se fosse cumprido certamente muitas pessoas viveriam melhor hoje. Mesmo que não pague juros por o usar, habitua-se a ele, e sabe que depois de se habituar será muito mais difícil de desistir. Daí até começar a fazer compras a crédito é um pequeno passo.
  2. Quanto paga por gestão da conta bancária? Muitas das contas á ordem no mercado são gratuitas, mas também em muitas outras pagam-se taxas mensais. Verifique se não está a pagar por serviços que não usufrui e mude para uma conta gratuita (normalmente as contas ordenado são).
  3. Faça um novo planeamento de liquidação de crédito. Faça um levantamento real e honesto de quanto e quando poderá pagar os seus créditos. Fale com os credores e exponha a sua situação, muitos deles colaborarão consigo e o ajudarão, a reduzindo temporariamente as suas prestações. É importante que não deixe de pagar totalmente, se continuar a pagar mesmo que seja pouco e estabelecendo diálogo com o credor, a sua imagem continuará a ser de uma pessoa confiável, e terá muito mais facilidade em resolver a sua situação.
  4. Reveja o seu extracto bancário á procura de possíveis erros. Na era da digitalização ocorrem erros, verifique cuidadosamente o seu extracto mensal bancário e confirme se todas as operações de débito foram realmente realizadas ou autorizadas por si. Poderá ter que fazer um registo manual para poder confrontar no final do mês, mas este é um processo que lhe levará mais tempo e dificilmente o prolongará.
  5. Dê tempo ao tempo. Este processo não acontece de um dia para o outro. Tem que esperar que as medidas anteriores comecem a dar um novo rumo á sua vida.

Boa sorte

Seg | 07.12.09

Cartões de Crédito com Taxa Maxima

Nelson

Finalmente vemos o Banco de Portugal a tomar alguma decisão em relação grave endividamento em que se encontram as familias Portuguesas. A partir de Janeiro de 2010 todos os tipos de créditos: Credito pessoal, cartões de credito, crédito automovel e restantes terão os seus limites máximos fixados por lei. Mas pouco muda na pratica, pois a a taxa maxima para os cartões de crédito, por exemplo, será fixada em 32,8%. Portanto continuará a ser bastante prejudicado quem se vir obrigado a recorrer a estes serviços carissimos.

Para os Crédito Pessoal, os bancos poderão chegar até uma taxa dde 19,6%, e sim havia muitas companhias com Taeg´s superiores a estes valores no mercado Português. Se está a pensar comprar um automóvel no num futuro breve tenha conhecimento que, por lei não lhe poderá ser cobrada uma TAEG superior a 16,1%. Estas taxas irã ser rvistas numa base trimestral a partir de Janeiro de 2010.

 

Fica a tabela publicada para posterior consulta:

 

 Categoria  Estrutura de montante

TAN média 

 TAEG média

TAEG máxima 

Crédito Pessoal

 (45,6%)      
- Finalidade Educação, Saúde e Energias Renováveis 1,5% 5,8% 6,5% 8,7%
- Locação Financeira de Equipamentos 0,4% 3,9% 4,7% 6,3%
- Outros Créditos Pessoais 43,7% 11,0% 14,7% 19,6%

Crédito Automóvel

 (34,1%)      
- Locação Financeira ou ALD: novos  5,5%  5,2% 6,0%  8,0% 
- Locação Financeira ou ALD: usados  0,6%  6,7% 7,7% 10,3%
 - Com reserva de propriedade e outros: novos 12,6% 7,1% 8,6% 11,5%
 - Com reserva de propriedade e outros: usados 15,4% 10,0% 12,1% 16,1%

Cartões de Crédito, Linhas de Crédito, Contas Correntes Bancárias e Facilidades de Descoberto

20,3% 20,6% 24,6% 32,8%
Ter | 01.12.09

Mais sobre o Sobreendivimento em Portugal

Nelson

Hoje vou continuar a falar de como evitar o sobreendividamento dado ser um tema actual que preocupa toda a populaçao portuguesa.Quem são os Sobreendividados de Portugal, todos nós achamos que sabemos qual o perfil dos sobreendividados em Portugal, mas será que o perfil que temos estereotipado é verdadeiro? Compare com os resultados obtidos pela investigação efectuada pelo Observatório do Endividamento dos Consumidores em Dezembro de 2008:

- Ganham entre os 500 e os 1000 euros por mês; portanto, não de classe alta nem muito baixa, Pode-se considerar classe média/media baixa.

- São sobretudo Mulheres. Se calhar muitos de nós errávamos esta. Normalmente tende-se a julgar que os homens são mais propensos a estas situações de excesso de créditos;

- Trabalham por conta de outrem;

- Têm um agregado familiar composto por dois ou três elementos;

- Vivem maioritariamente em Lisboa e no Porto.

- Contraíram entre dois a treze créditos, a média anda á volta dos seis créditos, e têm grandes dificuldades em cumprir com as suas obrigações.

- Casados ou em união de facto, normalmente;

 - Com idades situadas entre os 35 e os 50 anos;

- Na sua maioria possui créditos á habitação (68%);

-  Muitos dos sobreendividados apenas possui creditos pessoais ou dividas de cartões de crédito;

O desemprego tem sido a principal causa de incumprimento destas famílias. Muitas fabricas e empresas nacionais e internacionais têm fechado portas e abandonado o pais levando muitas famílias inteiras para uma situação nacional preocupante.  Outros factores têm contribuído para este sobreendividamento laboral, pois para conseguir cortar nas despesas, muitas empresas têm cortado nos prémios de produção e pagamento de horas extraordinárias, que antes tinham um fatia importante do bolo total de rendimento de um trabalhador por contra de outrem. Desde que se começou a falar em flexigurança no país, muitas empresas começaram a optar recompensar o tempo extraordinário prestado pelos seus trabalhadores com esse mesmo tempo em alturas de menos trabalho. Estas medidas num pais com ordenados baixos como o nosso, siginifica uma redução elevada nos rendimentos médios de um trabalhador, e na pratica significa uma redução do ordenado e no seu poder de compra em que a contrapartida é o tempo extra que se ganha, quando não se é útil á empresa.

Outro motivo para não pagamento de dividas é a doença de um elemento do agregado familiar. Quem se encontra doente e a receber da segurança social, vê o seu ordenado reduzido para 65% do seu valor e deixa de receber o subsidio de alimentação. Ao final do mês, se o grau de endividamento for alto, superior a 40 ou 50% poderá ser impossível cumprir com o pagamento das dividas.