Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Creditos online

Tudo o que procura saber sobre credito pessoal, creditos online, financas pessoais e conselhos de poupanca.

Creditos online

Tudo o que procura saber sobre credito pessoal, creditos online, financas pessoais e conselhos de poupanca.

Dom | 20.03.11

Cinco Hábitos Que Levam á Bancarrota

Nelson

Entrar em débito, nem sempre se deve a um acto isolado do passado, na verdade, na maioria das vezes entrar numa situação de crédito malparado, deve-se essencialmente a certos hábitos de consumo que devem ser eliminados do nosso quotidiano. Reconhecer estes hábitos é o primeiro passo para que possa levar uma vida mais tranquila e com mais dinheiro no bolso.

  1. Gastar mais do que se ganha.

Apesar de parecer uma causa evidente, a maioria das pessoas que estão em situação de crédito malparado não faz estas contas. Deve fazer um orçamento para o seu mês e limitar-se a não ultrapassar o limite definido por esse orçamento. Se recebe 1000 euros por mês não se pode dar ao luxo de gastar 1200, pois matematicamente isso não é possível, e apesar de conseguir fazer isso temporariamente recorrendo a cartões de crédito, pedindo emprestado a amigos e familiares ou usando as suas poupanças, isso terá efeitos nefastos no futuro. Mais cedo do espera, este hábito tornarão a sua vida numa tortura e cheia de stress. Verá as suas poupanças alienadas por completo, ninguém lhe emprestará dinheiro e os bancos só lhe emprestarão dinheiro a altas taxas de juro devido ao seu histórico.

 

2. Gastar dinheiro que não se tem

 

Se começar a gastar mais dinheiro do que ganha, então talvez tenha que usar as suas poupanças. isto enquanto elas durarem, pois quando elas deixarem de existir entrará numa fase em que começa a gastar dinheiro que não tem, ou seja recorrendo a créditos pessoais e a pagar taxas de juro que o levarão para um ciclo vicioso que o levará á bancarrota. Todos os meses que não conseguir pagar as sua contas a bola de neve do crédito malparado vai crescendo.


3. Usar o credito para compras do dia-a-dia

 


Devemos usar o dinheiro para pagar as despesas do dia-a-dia como comida, roupa, electricidade, etc.. Os cartões de crédito proporcionam-nos a possibilidade de pagar mais tarde por produtos que vamos consumir já: na altura da compra parece formidável, mas o contrário também é verdade ter uma conta para pagar este mês de coisas que já consumimos o mês passado como, comida ou gás, também não é nada agradável. Usar um cartão de crédito em vez de dinheiro para estas compras do dia-a-dia é um mau hábito, especialmente se não tiver dinheiro na sua conta á ordem para pagar essas contas e tiver que pagar juros.



4. Usar credito quando se tem dinheiro

 

 

Uma das formas mais rápidas de se entrar em débito é escolher usar o crédito quando se pode usar o dinheiro para fazer uma compra. As pessoas quando fazem isto, têm uma sensação de receber algo sem gastar nada, pois efectivamente na altura é isto que acontece. Recebem um produto ou serviço sem ter que abrir a carteira para pagar. Mas esta conveniência em deixar o dinheiro na carteira pode ter um custo muito alto passado pouco tempo.
Se você não quer pagar por algo neste momento, provavelmente amanhã também não irá querer.


5 Usar crédito para pagar credito malparado

 

Se recorrer aos cartões de crédito para pagar créditos de outros cartões ou de créditos pessoais, você não vai estar a pagar nada. Apenas estará a fazer crescer a "bolha" do seu crédito malparado, até ao momento em que ela não aguentará mais e rebentará. Cada vez que optar por esta solução fácil, você ficará pior do que antes, pense nisso.

Qua | 16.03.11

Euribor Continua A Subir

Nelson

A Euribor continua a subir em todos os prazos e continua a fazer suar muitos portugueses que se vêem aflitos para conseguir pagar as prestações. Desde 31 de Março do ano passado, dia em que a Euribor registou um valor mínimo de 0,634% (a três meses), que ela se tem mantido numa subida acentuada e sem dar sinais de querer parar.

 

No dia de hoje, segundo os dados estatísticos do Banco de Portugal ela encontra-se já nos 1,18% (para o mesmo prazo). No mês de Janeiro a subida foi de cerca de 2,9%, uma subida que já não se verificava á anos e que pode indicar uma tendência de subida nos próximos tempos. Fontes da Indústria, justificam o aumento, argumentando que a inflação também aumentou, e em parte, indirectamente é também afectada pelos aumentos sucessivos do preço do crude.

 

Isto quando é para subir preços, parece que qualquer coisa serve de justificação. Quando é para descer, a história, como já temos tido oportunidade de averiguar é completamente. Há sempre algo que impede um descida dos preços apesar de tudo no mercado apontar nesse sentido. Vamos ver mais quanto tempo este país se aguenta neste estado de calamidade em que está.

 

Com os combustíveis a atingir preços record, e sem nenhuma alternativa viável para os substituir os portugueses preparam-se em breve para entrar numa dupla agonia , pois para além de já não poderem ir a lado nenhum não conseguirão pagar os créditos á habitação.

Dom | 06.03.11

Ucrédito - Nova no Mercado?

Nelson

Quem é a Ucrédito


Provavelmente já reparou que existe uma nova companhia no mercado do crédito que domina a publicidade online. Chama-se Ucredito e não é realmente de uma nova companhia no mercado. Quem está por detrás desta nova marca é a Unicre, responsável no nosso mercado pelos cartões de crédito da Redunicre e Unibanco, tendo alguns dos produtos mais competitivos do mercado e sendo das empresas com um marketing online mais agressivo do momento.

Neste novo projeto, a Unicre pretende concorrer com os chamados creditos faceis, de companhias como a Cofidis, Cetelem, etc..
O produto em si é bastante semelhante ao da concorrência:

 

  • Permite pedir montantes entre os 500€ e os 10.000€
  • Não tem custos de adesão ou abertura de processo
  • Não tem custos de amortizações antecipadas, e este é sempre um factor a ter bastante em conta especialmente para créditos de média longa duração.
  • O processo de cedência do crédito é bastante célere (depois do crédito aprovado, terá o dinheiro na sua conta em 48h).
  • É um credito rotativo, ou seja, pode voltar a reutilizar o dinheiro que já devolveu sem ter que preencher qualquer tipo de documento.
  • Existe a possibilidade de fazer um seguro de protecção para fazer face a uma situação de doença ou desemprego. Mais uma vez esta é uma situação que deve ponderar, principalmente em créditos de média-longa duração.


O site da Ucrédito tem um simulador online que é um pouco pobre e limitado pois não fornece a informação de uma forma clara e que possa ser facilmente comparado com a concorrência. O simulador apenas permite alterar o montante do empréstimo e seleccionar a opção com ou sem seguro. Não permite escolher prazos o que é mau..

 

 

Ucredito

 

 

 

 

Fica-se com a sensação que o prazo é sempre igual para todos (150 meses, ou seja, mais ou menos 12 anos e meio) e que o valor vai baixando sempre com o tempo, mas de uma forma pouco explicita.

 

 

 

 

 

De uma forma geral, parece-me que criaram mais um produto com taxas de juro muito altas e fizeram-no de forma a que seja muito complicado de comparar com os produtos da concorrência, pratica muito frequente nos mercados do crédito.

Quando tentei descarregar a Fin (por baixo do simulador), coincidência ou não o ficheiro no meu PC aparece danificado e não se consegue abrir, isto das três vezes consecutivas que tentei abri-lo.
Para já, fiquei com um pé atrás com esta companhia....

Dom | 06.03.11

Credito Facil - Deixe o seu testemunho

Nelson

Guerra ás empresas de crédito rapido

Se contratou um credito rapido e por alguma razão está insatisfeito pode deixar o seu testemunho no site da Deco. A Defesa do Consumidor está a elaborar um estudo sobre o que se passa com as empresas de crédito facil em Portugal e até que ponto algumas não transgridem a lei. Para isso ela pede que os lesados ou queixosos deixem o seu testemunho no seu site em

 

http://www.deco.proteste.pt/credito/de-o-seu-testemunho-credito-facil-e-rapido-s636171.htm

Se foi vitima de publicidade enganosa, com taxas superiores ao anunciado ou comissões não divulgadas, contribua com um pequeno testemunho para que se consiga pôr um travão nesta situação.